Conjunto Muribeca Cidade Fantasma

Intervenções possibilitarão a instalação do canteiro de obras, no perímetro dos blocos 129 e 155 da Quadra 2, para iniciar as obras de demolição e reconstrução

A partir desta quarta-feira (23/07), às 9h, serão iniciadas as demolições de aproximadamente 30 construções irregulares no perímetro que compreende os blocos 129 e 155 da Quadra 2, no Conjunto Muribeca, Jaboatão dos Guararapes. As intervenções são o cumprimento da sentença do processo de ação civil pública nº 0010061-55.2009.4.05.8300, emitida pela juíza da 5ª Vara da Justiça Federal, Nilcea Maria Barbosa Maggi. Os dois habitacionais serão os primeiros do bairro a serem demolidos e reconstruídos, após sentença que determinou o início das obras, beneficiando os futuros moradores.

“A sentença é um cumprimento judicial, em vigor, que determina a demolição dos dois blocos. A retirada dos imóveis irregulares, conhecidos como puxadinhos, vai permitir o cumprimento da sentença. Ou seja, a empresa só vai demolir se a área do entorno, com aproximadamente 15 metros de cada extremidade dos blocos, estiver livre. O objetivo é oferecer mais segurança para que seja instalado o canteiro de obras e comece os trabalhos de demolição e reconstrução”, explicou o assessor técnico da secretaria de Ordem Pública e Segurança Cidadã, Luiz Gonzaga Dutra.

Para a realização das obras, o Instituto de Tecnologia de Pernambuco (Itep) concluiu as análises de documentos, aprovados pela Prefeitura. As construções servirão como parâmetro para dar continuidade aos serviços de recuperação. Estarão envolvidas na ação desta quarta aproximadamente 60 pessoas, além de maquinários. Após essa etapa, a empresa responsável pela recuperação dos prédios, a Construtora Sinkel, colocará tapume no entorno dos blocos 129 e 155 e instalará o canteiro de obras.

Construído em 1982, o Conjunto Muribeca possuía quatro quadras com 70 blocos e 2.208 apartamentos. Devido aos problemas na estrutura, houve a demolição do Bloco 10 da quadra 1 em 1986. Dos 69 blocos existentes agora, todos estão interditados. Desses, 36 estão desocupados e 33 parcialmente ocupados, o que corresponde a 1.628 apartamentos desocupados, representando 75% do total de 2.208 unidades.

Desde 2009, representantes do Governo Municipal e dos moradores do habitacional participam de reuniões para acompanhar os encaminhamentos dos processos relativos ao conjunto. No dia 13 de março deste ano, o Tribunal Regional Federal da 5ª Região estabeleceu a antecipação da tutela, ou seja, a autorização para que os trabalhos de recuperação fossem realizados pela CEF.