Mercado do Peixe

Diante da repercussão da matéria Mercado do Peixe virou ponto de sexo e consumo de drogas, o blog vem esclarecer o seguinte;

Apoiamos as manifestações culturais e movimentos sociais promovidos neste local, o que está sendo questionado é a ausência do poder público para preservar a segurança e o respeito das pessoas.

Não esqueçamos que o local (orla de Candeias), também é frequentado por várias famílias e crianças, inclusive existem vários moradores ao lado da Peixaria.

Há relatos de rapazes que trafegam com as cinquentinha no calçadão, podendo causar um acidente com pedestres e mais uma vez, onde está a fiscalização?

Daremos total apoio às manifestações culturais e popular, porém não podemos ser conivente com outras coisas que vem acontecendo neste local. Sem falar na crescente onda de assaltos que tem ocorrido nos últimos meses, que segundo a maioria dos nossos leitores, são pessoas que frequentam a casa de recuperação Atitude, que fica instalada nas imediações da peixaria.  

Recebi vários testemunhos antes de publicar a matéria qu
ando no sábado (08), passei com meus filhos, um de 14 e outro de 3 anos, para fazer o retorno, pois tenho um amigo proprietário do Point Da Asinha Asinha que ficam nesta rua e sempre passo para dar um “Oi”. Tínhamos acabado de sair da festa de aniversário do meu filho e nos deparamos com uma cena de sexo oral na frente de qualquer um que passasse. Ora! Não somos contra ao amor ou sexo, porém existe o local adequado para isso.

Transar em local público no Brasil é crime. A pena para ato obsceno é de no mínimo três meses e no máximo um ano. Não precisa ser necessariamente um ato sexual. Tirar a roupa no meio da rua, por exemplo, também pode ser considerado um ato obsceno e levar a pessoa a prisão.

Finalizando, esperamos que algumas pessoas que questionaram a publicação compreendam que a crítica está na ausência do poder público, e não, nas as pessoas gente boa que também frequentam o local. E viva a cultura, a música, a paz e ao amor…

PS. Hoje a tarde estaremos conversando com pessoas ligadas aos movimentos culturais de peixaria.