O deputado estadual, pastor Cleiton Collins (PSC), afirmou que é pré-candidato a Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes e cobrou que o presidente municipal do PSC, Daniel Pessoa, não faça mais parte da secretaria de articulações política, do governo do seu principal oponente, Elias Gomes (PSDB). “Daniel precisa desvincular da Prefeitura. Ele tem até o dia 20 para fazer isso. Hoje tenho o apoio de 99% dos pré-candidatos do partido. Nossa candidatura é consolidada, estamos muito bem encaminhados na nacional”.

O pré-candidato cobrou do PT um apoio à sua candidatura à Prefeitura de Jaboatão dos Guararapes, que, segundo ele, já está consolidada e liderando pesquisa. “O mais justo seria isso (que André Campos o apoie), porque só Deus sabe o que eu passei. As pessoas querem votar em mim, mas por conta dessas conversas de que eu abriria mão da minha candidatura, fica essa dúvida. Hoje eu tenho 26%, 27% nas pesquisas, mas a partir do momento que minha candidatura for oficializada, nós vamos crescer e podemos ganhar no primeiro turno”, afirmou o deputado estadual durante entrevista à Rádio Folha, na manhã desta quinta-feira.

A cobrança de Collins se dá pelo apoio dado pelo PSC à candidatura de André Campos (PT) nas eleições de 2008 em detrimento ao seu nome. No entanto, o deputado federal se mostrou favorável ao lançamento de um nome petista, que seria mais um para concorrer com o atual prefeito Elias Gomes (PSDB). “É importante o PT se definir. Se houver candidatura, será bem vindo, desde que haja boas propostas. A candidatura dele (André Campos) é importante, mas se o PT não lançar uma candidatura, irá apoiar alguém da Frente Popular”, comentou.

Para o deputado, Jaboatão está atrás dos crescimentos de Pernambuco. “Jaboatão precisa entrar nos contextos das fábricas que estão vindo para o Estado. A montadora de caminhão deveria ser montada em Jaboatão, mas foi para Caruaru. Estou propondo um governo justo. O atual prefeito passou 3 anos sem fazer nada pela cidade. Agora ele jogou uma montanha de obras nas ruas. Me preocupo com a máquina urbana, mas os eleitores não esquecem do passado e viram que nada foi feito antes.”

Fonte: Folha PE.